Translator / Traducteur / Übersetzer / översättaren / переводчик / 翻訳者

O NOSSO PROPÓSITO

O Capitão Haddock da banda desenhada do Tintin é uma boa caricatura de como se atribui a relação entre o mar e as garrafas ao alcoolismo dos marinheiros. No entanto a relação que mais nos interessa é a de que os marinheiros tinham com as garrafas já vazias. Tal como com o álcool, a atenção requerida pela introdução de modelos de veleiros no interior de garrafas -pelos seus gargalos- fazia-os evadirem-se da sua dura realidade. Ao contrário das fantasias de Baco o resultado desta outra relação era uma fantasia perdurável com um significado quase bíblico, o do buraco da agulha e do camelo.

O Mar das Garrafas será um espaço de divulgação de uma arte que, mais do que uma evasão, constitui um meio de trabalhar a persistência. Aqui apresentarei trabalhos já realizados, outros a realizar, trabalhos de outros, os resultados da minha pesquisa contínua sobre a história e as mútiplas envolvências desta arte, especialmente a das embarcações tradicionais.

sábado, 10 de outubro de 2009

O mar da escola

No ano lectivo 1988-1989 leccionei na Escola Álvaro Velho do Lavradio.
O percurso  diário realizado de barco pelo Tejo, de Lisboa ao Barreiro, foi muito inspirador. Comecei a estudar as embarcações tradicionais do rio Tejo, a construir os seus primeiros modelos em garrafas e, também, a ensinar a construí-los. Formei um pequeno grupo de seis alunos, um dos quais paraplégico, que todas as semanas se dedicava à arte de construir modelos para colocar dentro de garrafas. O resultado surge no vídeo que apresento: uma Muleta, dois Caíques, duas Canoas da Picada e um Hiate de Setúbal. A escola devolvia o mar ao seu lugar, pois tinha o nome de um navegador da Expansão Portuguesa e situava-se num lugar onde os bacalhoeiros estacionavam entre duas fainas, enquanto as embarcações tadicionais realizavam as suas tarefas.



4 comentários:

Ana Maria Lopes disse...

Interessante trabalho, que levou a cabo junto de miúdos de 10 e 11 anos. Convém sempre despertar-lhes as consciências, para actividades pacíficas e salutares.
Parabéns! Continue!

Ana disse...

David, tenho acompanhado os teus textos e trabalhos do blogue e estás de parabéns. Desde a sesssão que fizeste numa tarde na escola a explicar como constrois os barcos que fiquei fascinada. Seria interessante motivar os alunos, mostrando-lhes o teu trabalho.Continua a construir, pois quando falas de mar e tudo o que se relaciona com essa palavra"mar" nota-se um deslumbramento. Não desistas...

sitiodaanamiroma disse...

Por muito que me esforce não entendo onde vais buscar energia para tanto...
Parabéns...

Sergio Nunes disse...

Caro David

Muito bom. A arte de fazer miniaturas de barcos em garrafas pode ajudar muito nossas crianças e adolescentes...

Gostaria de saber mais sobre essa sua experiência.

Obrigado por sua contribuição no blog.

Um abraço.

Sergio.