Translator / Traducteur / Übersetzer / översättaren / переводчик / 翻訳者

O NOSSO PROPÓSITO

O Capitão Haddock da banda desenhada do Tintin é uma boa caricatura de como se atribui a relação entre o mar e as garrafas ao alcoolismo dos marinheiros. No entanto a relação que mais nos interessa é a de que os marinheiros tinham com as garrafas já vazias. Tal como com o álcool, a atenção requerida pela introdução de modelos de veleiros no interior de garrafas -pelos seus gargalos- fazia-os evadirem-se da sua dura realidade. Ao contrário das fantasias de Baco o resultado desta outra relação era uma fantasia perdurável com um significado quase bíblico, o do buraco da agulha e do camelo.

O Mar das Garrafas será um espaço de divulgação de uma arte que, mais do que uma evasão, constitui um meio de trabalhar a persistência. Aqui apresentarei trabalhos já realizados, outros a realizar, trabalhos de outros, os resultados da minha pesquisa contínua sobre a história e as mútiplas envolvências desta arte, especialmente a das embarcações tradicionais.

sábado, 3 de outubro de 2009

O Bote da Lorena e do Luís



 Como tenho estado a falar dos Açores, resolvi expor agora um trabalho feito por volta de 1998. Trata-se de um bote de boca aberta com velas bastardas ou latinas, típico de S. Miguel. Realizei este trabalho numa garrafa de licor de maracujá "Ezequiel" das antigas e dei-o a dois grandes amigos de S. Miguel: a Lorena e o Luís, a quem também dedico este post.


2 comentários:

Luís Sérgio disse...

Uma peça maravilhosa, e com recordações e uma história de vida , de facto os barcos continuam a velejar dentro das garrafas, parecem-me uma história de vida. Se calhar são mesmo.

David Luna de Carvalho disse...

É, Luís,

Essa perspectiva é a que mais me interessa.

um abraço