Translator / Traducteur / Übersetzer / översättaren / переводчик / 翻訳者

O NOSSO PROPÓSITO

O Capitão Haddock da banda desenhada do Tintin é uma boa caricatura de como se atribui a relação entre o mar e as garrafas ao alcoolismo dos marinheiros. No entanto a relação que mais nos interessa é a de que os marinheiros tinham com as garrafas já vazias. Tal como com o álcool, a atenção requerida pela introdução de modelos de veleiros no interior de garrafas -pelos seus gargalos- fazia-os evadirem-se da sua dura realidade. Ao contrário das fantasias de Baco o resultado desta outra relação era uma fantasia perdurável com um significado quase bíblico, o do buraco da agulha e do camelo.

O Mar das Garrafas será um espaço de divulgação de uma arte que, mais do que uma evasão, constitui um meio de trabalhar a persistência. Aqui apresentarei trabalhos já realizados, outros a realizar, trabalhos de outros, os resultados da minha pesquisa contínua sobre a história e as mútiplas envolvências desta arte, especialmente a das embarcações tradicionais.

sábado, 19 de dezembro de 2009

O Mar do Gazela Primeiro


    O Gazela Primeiro, príncipe da  frota bacalhoeira portuguesa entre 1901 e 1961 nas campanhas de pesca  na Terra Nova e na Gronelândia, foi uma das miniaturas que realizei com muito prazer. A garrafa  de corpo com perfil oval pareceu-me muito adequada ao modelo. Em 1989 construí-o à escala 1/180 a pedido do meu pai para uma sua colega, bióloga como ele.


   Em 1971 o Gazela Primeiro foi vendido ao Museu Marítimo de Filadélfia nos E.U.A. e recebeu um novo nome: "Gazela of Philadelphia". O seu carisma único fê-lo protagonizar um importante papel no filme "A Viúva de St. Pierre" (The Widow of  St. Pierre) de que passamos um extracto. Agradecemos ao nosso amigo Cachinare77 ter-se lembrado de o colocar no YouTube.

1 comentário:

Luís Sérgio disse...

Este " mar das garrafas" tal como o mar real continua a surpreender, sobretudo com a qualidade da sua arte. E parece que o sonho se vai tornando realidade, pois, já há quem parta das garrafas para o mar imenso. E, ainda há quem diga que não é o sonho que comanda a vida. Como estão enganados...

abraço,
Luís Sérgio