Translator / Traducteur / Übersetzer / översättaren / переводчик / 翻訳者

O NOSSO PROPÓSITO

O Capitão Haddock da banda desenhada do Tintin é uma boa caricatura de como se atribui a relação entre o mar e as garrafas ao alcoolismo dos marinheiros. No entanto a relação que mais nos interessa é a de que os marinheiros tinham com as garrafas já vazias. Tal como com o álcool, a atenção requerida pela introdução de modelos de veleiros no interior de garrafas -pelos seus gargalos- fazia-os evadirem-se da sua dura realidade. Ao contrário das fantasias de Baco o resultado desta outra relação era uma fantasia perdurável com um significado quase bíblico, o do buraco da agulha e do camelo.

O Mar das Garrafas será um espaço de divulgação de uma arte que, mais do que uma evasão, constitui um meio de trabalhar a persistência. Aqui apresentarei trabalhos já realizados, outros a realizar, trabalhos de outros, os resultados da minha pesquisa contínua sobre a história e as mútiplas envolvências desta arte, especialmente a das embarcações tradicionais.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

O Mar de Maputo

No estuário do rio Incomáti em Maputo, Moçambique, navegam belíssimas embarcações rústicas com vela latina de tradição portuguesa. Segundo Armando Reis Moura, na sua monografia, Barcos do Litoral de Moçambique,de 1973, estas Lanchas de Maputo são de tradição portuguesa. Aparelham as suas velas latinas embolsando-as por dentro da enxárcia, enquanto as de tradição oriental -que existem noutros pontos de Moçambique- embolsam-nas por fora.


No Cacimbo de 2008 estive em Maputo pela primeira vez e, olhando a foz do Incomáti a partir do hotel Polana, avistei uma latina ao longe, era uma das lanchas referidas por Moura. Assim que pude fui à Costa do Sol, vê-las e filmá-las de perto. O vídeo e o  slideshow na barra lateral deste blogue contêm algumas das imagens que colhi.


Tal como nos batik, tão característicos de Maputo, estas Lanchas de bastardo navegarão no meu próximo Mar de Garrafa!

Dedico este Post ao Pedro Cadete, velho amigo desde os tempos de infância quando apenas tínhamos os barcos do Luachimo como...  inspiração.

1 comentário:

Sergio Nunes disse...

Olha eu aí de novo, em um veleiro rápido e moderno. E você sempre nos surpreendendo muito. Que beleza de trabalho e que bom que trazes para vermos. Iniciei um Galeão SMS Victory, já há alguns anos; mas não terminei... Quem sabe, não será um incentivo! Muito bom.

Abraços - Verde e Amarelo.