Translator / Traducteur / Übersetzer / översättaren / переводчик / 翻訳者

O NOSSO PROPÓSITO

O Capitão Haddock da banda desenhada do Tintin é uma boa caricatura de como se atribui a relação entre o mar e as garrafas ao alcoolismo dos marinheiros. No entanto a relação que mais nos interessa é a de que os marinheiros tinham com as garrafas já vazias. Tal como com o álcool, a atenção requerida pela introdução de modelos de veleiros no interior de garrafas -pelos seus gargalos- fazia-os evadirem-se da sua dura realidade. Ao contrário das fantasias de Baco o resultado desta outra relação era uma fantasia perdurável com um significado quase bíblico, o do buraco da agulha e do camelo.

O Mar das Garrafas será um espaço de divulgação de uma arte que, mais do que uma evasão, constitui um meio de trabalhar a persistência. Aqui apresentarei trabalhos já realizados, outros a realizar, trabalhos de outros, os resultados da minha pesquisa contínua sobre a história e as mútiplas envolvências desta arte, especialmente a das embarcações tradicionais.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

O Mar de Gionni Biondi (a garrafa de Lübeck - 1784)

Em 1992 depois de termos "redescoberto" nos reservados do Museu da Marinha em Lisboa o "mar" de Biondo datado de 1792 (post anterior), pensámos estar perante a peça mais antiga conhecida. Por via das nossas navegações na Internet, pudemos, no entanto, saber que existe um outro, oito anos mais antigo, datado de 1784 e localizado no Museu Holstentor de Arte e Cultura Popular de Lübeck na Alemanha.




Apesar da distância que os separa, estes dois "mares" apresentam, contudo, uma relação profunda. A inscrição:

"Gionni Biondi fecit 1784" ,

revela-nos que foram realizados pelo mesmo artista, pois Gionni coincide com o nome de Giovanni e Biondi com o de Biondo do "mar" de Lisboa.






O "mar" de Lisboa apesar de menos antigo é mais completo em indicações. É por ele que se pode saber que Gionni Biondi se chamava realmente Giovanni Biondo, era "Capitano". (Com grande probabilidade da marinha de guerra) e era natural de Veneza.

O "mar" de Lisboa é constituído por um vaso de linha veneziano (com o leão alado da bandeira e da carranca na proa a atestá-lo) e o de Lübeck, apesar de não apresentar identificação é, segundo alguns investigadores, constituído por uma embarcação turca ou portuguesa. Sem uma análise detalhada do modelo de Lübeck não saberemos dizer qual a nacionalidade da embarcação. Teria sido portuguesa? A segunda metade do século XVIII foi fértil na constituição de armadas mistas com participação portuguesa e veneziana na luta contra os piratas da Barbária, mas... 



A técnica artística confirma a mesma autoria dos dois "mares",  em ambas as peças os modelos estão sobre a abertura do gargalo, demonstrando o mesmo estilo e, sobretudo o domínio de uma técnica arrojadíssima e muitíssimo invulgar. Ao contrário da técnica mais moderna  (muito mercantilista) em que as embarcações são totalmente montadas no exterior, introduzidas com os mastros deitados e articulados por um eixo na sua base através de cabos que saem pelo gargalo, as embarcações de Biondo foram montados no interior do recipiente. Os mastros não possuem eixos na sua base, tendo que ser montados com ajuda de estiletes. 


Se algum dia estiveram juntos, creio que esta é a primeira vez que estes "mares" assinados pela mesma mão se reencontram após duzentos anos!


Agradecemos a Peter Huber o primeiro contacto com o mar de Lübeck no seu sítio: http://www.mineral.at/

Sem comentários: