Translator / Traducteur / Übersetzer / översättaren / переводчик / 翻訳者

O NOSSO PROPÓSITO

O Capitão Haddock da banda desenhada do Tintin é uma boa caricatura de como se atribui a relação entre o mar e as garrafas ao alcoolismo dos marinheiros. No entanto a relação que mais nos interessa é a de que os marinheiros tinham com as garrafas já vazias. Tal como com o álcool, a atenção requerida pela introdução de modelos de veleiros no interior de garrafas -pelos seus gargalos- fazia-os evadirem-se da sua dura realidade. Ao contrário das fantasias de Baco o resultado desta outra relação era uma fantasia perdurável com um significado quase bíblico, o do buraco da agulha e do camelo.

O Mar das Garrafas será um espaço de divulgação de uma arte que, mais do que uma evasão, constitui um meio de trabalhar a persistência. Aqui apresentarei trabalhos já realizados, outros a realizar, trabalhos de outros, os resultados da minha pesquisa contínua sobre a história e as mútiplas envolvências desta arte, especialmente a das embarcações tradicionais.

domingo, 11 de abril de 2010

A Barcaça do Lago Peipsi na Estónia / Peipsi sailing barge on old footage

As barcaças à vela do Lago Peipsi na Estónia aparecem, primeiro, num filme bastante antigo e, depois, num filme sobre uma réplica recente. Estas barcaças remontam ao Século XIV e a amplitude do seu bojo será um desafio para o miniaturista dos nossos "Mares"!



2 comentários:

jose disse...

Achei interssantíssimo o filme sobre as barcas eslavas do lago peipsi. Realço sobretudo um detalhe curioso.Tal como as primeiras cogas hanseáticas do séc XIV, elas possuem finas réguas a tapar a junção das tábuas do costado.Tal como nas cogas, essas réguas estão seguras por uma espécie de agrafos(perdoem o termo) chamados "sintels" que aqui conservam a forma exacta dos que eram mais usados nas cogas. Há portanto a permanência desta solução construtiva até quase aos nossos dias, o que é um facto assinalável. Zé Manel Faria

David Luna de Carvalho disse...

José,

Obrigado pelo comentário. É fabuloso como as técnicas de construção naval podem perdurar!

Um abraço